FloripaSat-1

Uma missão CubeSat brasileira,
desenvolvida por estudantes universitários.

O FloripaSat-1 já foi lançado ao espaço!

O FloripaSat-1 é uma missão de demonstração tecnológica totalmente desenvolvida por estudantes do SpaceLab da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Brasil. É um satélite em forma de cubo, composto por 5 módulos. Existem os módulos principais para o controle da missão e as cargas úteis. Os módulos principais desenvolvidos na UFSC são o On-Board Data Handling (OBDH), a Telemetria, Rastreamento e Controle (TT&C), o Electric Power System (EPS) e o Passive Attitude Control System (ACS). A carga útil é um repetidor de rádio amador, que pode ser usado em todo o mundo em situações de emergência e resgate, por exemplo.

OBJETIVOS DA MISSÃO

Introduzir para a comunidade o conceito de “new space”, que viabiliza o desenvolvimento mais eficiente e com custo reduzido ao se comparar com os processos utilizados em satélites tradicionais.

Validação em órbita de uma plataforma multi-missão que poderá ser reaproveitada em satélites desenvolvidos por outros grupos da academia e da indústria.

Fornecer o serviço de estação retransmissora de rádio-amador, para atender eventos de emergências em áreas sem cobertura da rede de telefonia celular (oceanos, rios, florestas, desertos, entre outros).

RESULTADOS ESPERADOS

Formação de recursos humanos em uma área do conhecimento de alto valor agregado, e na fronteira da tecnologia. Estudantes de engenharia recebem treinamento na concepção, projeto, implementação, integração, testes e operação, ou seja, em todas as etapas de uma missão espacial completa.

Aquisição de conhecimento visando apoiar o desenvolvimento de missões utilizando a tecnologia FloripaSat, tanto nas etapas de projeto quanto na operação dos satélites.

Fortalecer a participação do Brasil no cenário mundial na área espacial, principalmente no “new space”.

módulos

plataforma de serviço

EPS

O EPS (sigla para “Eletric Power System”, em inglês) foi desenvolvido para capturar, armazenar e distribuir energia para os demais módulos do FloripaSat-1.O sistema de captura de energia é baseado na conversão da energia solar através de seis painéis localizados em cada face da estrutura do satélite. A energia capturada é armazenada em duas baterias de lítio conectadas em série. A partir de algoritmos de tomada de decisão, os demais módulos do satélites são alimentados de acordo com a energia disponível nas baterias em um determinado momento.

O EPS possui um papel fundamental na gerência de energia em diferentes momentos da órbita como, por exemplo, quando o satélite se encontra em eclipse, com a Terra cobrindo o Sol.

TT&C

O TT&C (sigla para “Telemetry, Tracking and Command”, em inglês) é responsável pela comunicação do satélite com o segmento terrestre. O módulo é dividido em dois submódulos: “beacon” e “rádio principal”.

O “beacon” transmite sinais periódicos contendo a identificação do satélite (ID) e informação básica de telemetria.O “rádio principal” é responsável por receber telecomandos oriundos de uma estação de controle localizada na Terra (no caso na UFSC), e enviar respostas por intermédio de telemetria. Os telecomandos recebidos são encaminhados para o OBDH, que realiza a decodificação, e o processamento solicitado.

OBDH

O OBDH (sigla para “On-Board Data Handling”, em inglês) é responsável por sincronizar as ações e o fluxo de dados entre os módulos do satélite (por exemplo, EPS, Payloads, …) e o segmento terrestre.

O OBDH empacota os dados gerados, e os armazena em uma memória não volátil para enviar para a estação terrestre assim que possível (quando o satélite estiver passando sobre a UFSC, ou sobre a estação terrestre de algum parceiro).

Os telecomandos enviados pelo segmento terrestre para o satélite são recebidos pelo TT&C e enviados ao OBDH que decodifica e executa as ações necessárias, enviando as ações para os outros módulos, se necessário. Isso permite a comunicação entre todo o satélite e a Terra.

PAYLOADS

PAYLOAD-X

Os satélites são expostos a radiação que pode causar danos temporários e até permanentes aos seus subsistemas. Existem alguns componentes que são feitos para serem imunes ou menos sensíveis aos efeitos da radiação.

O Payload-X possui um FPGA produzido para resistir à radiação. Este componente será testado pela primeira vez em ambiente espacial a bordo do FloripaSat-1.

PAYLOAD RUSH

A Payload RUSH foi desenvolvida na universidade UNSW da Austrália.

Desenvolvida pela primeira vez para validar uma nova abordagem para reconfigurar eventos de perturbação únicos devido à radiação solar em circuitos lógicos reconfiguráveis. Essa carga útil possui um FPGA como circuito de teste devido à razão entre densidade lógica e consumo de energia.

apoio institucional e PARCEIROS

Comunique-se com o FloripaSat-1

Enquanto o FloripaSat-1 está a caminho do seu lançamento em meados de dezembro de 2019, visite a página e veja como se comunicar com o satélite via rádio.

Nossa missão é Open Source

Toda a documentação e códigos utilizados estão disponíveis no GitHub. A versão final só está disponível em inglês

Conheça algumas das pessoas que fizeram essa missão possível

ÚLTIMAS NOTÍCIAS & ANÚNCIOS

12/02/20

FloripaSat-1 presente em Brasília com Jair Bolsonaro

30/01/20

Resumo Mensal Janeiro 2020

09/01/20

Bate-papo sobre os satélites brasileiros e suas aplicações no dia a dia em Brasília

A missão FloripaSat-1 terminou a sua fase de desenvolvimento e integração, porém nosso trabalho não acabou ainda.

Siga o laboratório SpaceLab UFSC para ver as atividades recentes de futuras missões espaciais e projetos conduzidos pelo grupo.

Entre em contato conosco caso deseje fazer parte!

@2020 SpaceLab UFSC – Laboratório de Pesquisa em Sistemas Espaciais da Universidade Federal de Santa Catarina